Um revestimento em cima do outro? Saiba quais cuidados você deve tomar!

Por 11 de outubro de 2018Decoração, Revestimentos

De tempos em tempos, a estrutura da casa exige uma reforma, seja por manutenção devido ao desgaste natural ou pela escolha de quem ali mora, por uma mudança estética na decoração. Arquitetos, designers e decoradores são unânimes: uma das melhores opções para transformar e ter um grande impacto visual nos ambiente, é através da troca dos revestimentos. Com o tempo, fluxo de pessoas, equipamentos pesados e exposição à chuva e ao sol, os revestimentos podem ficar danificados, com cores alteradas e por isso, requerem substituição.

Muitas pessoas costumam adiar este processo devido a complexidade e o quebra quebra da obra. Neste contexto, arquitetos e designers assumem papel ainda mais importante, já que a aplicação de um revestimento em cima do outro é a escolha de muitos profissionais por ser uma técnica viável e com grandes vantagens. Ela pode ser utilizada na maioria dos projetos de arquitetura e evita não só o serviço de demolição como também o descarte de entulho, que deixa de ser necessário. Para que tudo ocorra da maneira correta é fundamental ter atenção aos materiais e saber quais são os cuidados especiais que se deve neste este tipo de procedimento.

A aplicação de um revestimento em cima do outro economiza material, tempo e garante uma completa transformação dos ambientes.

Vantagens e desvantagens na prática

Além de diminuir o quebra quebra muito comum na reforma da casa, optar pela aplicação de um revestimento por cima do outro, também ajuda a reduzir o tempo de realização do projeto. A única desvantagem é que o espaço que passou pela remodelação pode ficar com alguns centímetros acima dos demais ambientes e isto pode afetar a soleira das portas. No entanto, serrar a porta e encurtar o seu tamanho é muito menos complexo do que a remoção do piso antigo.

Existe um material em especial, que não é possível fazer a sobreposição:  pisos ou paredes de madeira. Por ser um produto natural, ela dilata e retrai de acordo com a temperatura do ambiente o que pode provocar a quebra do revestimento que ficou por cima. Além disso, a madeira precisa ser mantida seca, o que torna inviável a aplicação da argamassa que é um produto que se deve aplicar molhado.

Fonte: Pinterest

 

Cuidados necessários

A primeira etapa é a verificação do piso, ou seja, se está bem aderido ou se possui peças soltas. O mesmo deve ser feito no caso de azulejos e demais revestimentos da parede. É fundamental retirar todas as peças soltas e reparar os defeitos de planeza. Uma vez que a parede (ou o piso) está nivelado e firme, é possível dar andamento a outras etapas de execução.

Outro estágio essencial nesta técnica é o da limpeza. Ela deve ser feita antes da preparação da superfície que vai receber o novo revestimento. Toda a área precisa estar livre de resíduos como óleo, pó, tinta, sujeira ou qualquer outra matéria que impeça uma aderência eficaz da argamassa.

 

Melhores opções de revestimento

Os porcelanatos e também os porcelanatos em grandes formatos estão em alta e, entre os mais escolhidos para este tipo de projeto. Eles são de fácil manutenção, têm durabilidade, resistência e agregam sofisticação a qualquer ambiente. Sem falar na grande variedade de cores, tamanhos e acabamentos para se adequar a todos os estilos de decoração.

Outra escolha eficiente são os pisos vinílicos, principalmente porque eles possuem, em média, dois milímetros de espessura e conseguem reduzir a diferença entre os demais pisos da casa. Confira todos os materiais que a Tanto disponibiliza para atender cada projeto de maneira especial. E ainda, conte com o nosso suporte direto para tirar todas as suas dúvidas!