.................

machado-mat.jpg (5007 bytes)

A TRADIÇÃO QUE FICA

Joaquim Branco*

.

 

  Foi o poeta-crítico Mário Faustino quem chamou a atenção, no início dos anos 60, para os dois sentidos da palavra ‘tradição’: um que se cristaliza no repisar dos mesmos passos, não respira, cheira a mofo, e por isso pode ser deixado de lado; e o outro, construído solidamente e voltado para o futuro, serve de base para o presente e para as inovações e deve ser retomado sempre. Este último deu origem a expressões como a tradição luciânica.
Esta denominação refere-se a Luciano de Samósata, um autor quase desconhecido que, nascido na Síria, viveu na Grécia sob o domínio romano no século II da era cristã.
Como acentua o professor Jacyntho Lins Brandão em entrevista recente ao SLMG-Suplemento Literário de Minas Gerais: "de um lado, ele é súdito de Roma; de outro, educou-se como grego; de origem, é bárbaro (sua língua materna deve ter sido mesmo o aramaico). Um colonizado como nós, até porque adota como sua a cultura do outro e assume sua condição de alteridade".
Tradição luciânica seria praticamente o conjunto das marcas deixadas pela leitura de seus textos nos livros de autores significativos da literatura ocidental. E esses escritores, que adotaram o riso, a crítica, a carnavalização na literatura, armas contra a dominação e o sentimentalismo fácil trazem esse fio luciânico até a modernidade.
Muitos escritores sofreram essa influência como Erasmo de Roterdã, Dostoievski, Swift, e, no Brasil, temos um romancista que vem sendo estudado sob essa ótica, e hoje considerado um dos maiores do mundo. É Machado de Assis.
Por tudo isso, e principalmente pelo pouco conhecimento que se tem da matéria, que recomendamos a leitura de A poética do hipocentauro, de Jacyntho Lins Brandão, Editora UFMG. O professor trata da literatura, sociedade e discurso ficcional em Luciano de Samósata a partir dos textos originais do autor, em alentado volume de quase 400 páginas.

Joaquim Branco – escritor, professor de Literatura na Faculdade de Letras de Cataguases e Mestrando em Literatura Brasileira no CES-Juiz de Fora.

voltar