arte sobre foto de Man Ray  

PAPÁ HEMINGWAY

Joaquim
Branco*

Uma de minhas preferências entre autores é Ernest Hemingway (1899-1961), esse americano intranqüilo que atravessou a 1ª metade do século XX se metendo em safaris na África, lutas de box em Nova York, pescarias perigosas no Gulf Stream, touradas na Espanha, noitadas em Havana e até em guerras pelo mundo.
Papá Hemingway, como era carinhosamente apelidado, ganhou o prêmio Nobel em 1954, foi um escritor admirável, desses que não conseguem separar o que escrevem da própria vida, como Melville, Proust, Camus, Rosário Fusco. Orientou-se, como os demais, pelo ideal de Mário Faustino: "Poesia e vida minha seguirão paralelas".
"A vida de todo homem termina da mesma maneira. Apenas os pormenores de como viveu e morreu distinguem um homem de outro", confessou a A.E.Hotchen.
O Hemingway ainda novo, ‘refugiado’ na Europa nos anos 20 e participante da geração ‘perdida’, é quem protagoniza Paris é uma festa, livro escrito no final dos 50, e agora recém-lançado pela Bertrand-Brasil, em tradução de Ênio Silveira.
Sua escrita rápida – quase telegráfica, raros adjetivos – aqui ainda não se impõe. Este, o Hemingway que estava descobrindo os clássicos nas livrarias e bibliotecas ao longo do Sena, mantendo encontros com os figurões da época (Gertrude Stein, Ezra Pound), e alternando momentos de êxtase com crises melancólicas, às vezes passando por dificuldades na capital francesa.
A moveable feast, título do original, pode parecer o roteiro da vida de um grande escritor pela Paris trepidante dos 20, mas, para o leitor, transforma-se numa narrativa que fascina e prende da primeira à última página.
E no seu autor, mal dá para reconhecer o caçador de leões que, cerca de quarenta anos depois de viver esses episódios, aos 62, no auge do seu sucesso artístico, iria apontar a carabina de caça para a boca e disparar impiedosa e lamentavelmente.

 

Joaquim Branco – poeta, crítico, professor de Literatura Brasileira na FAFIC-Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cataguases; Mestrando em
Literatura Brasileira no CES-Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora.

voltar